PEC POLÊMICA: Emanuelzinho quer prorrogação de mandatos e eleições em 2022



O deputado federal Emanuelzinho, que defende prorrogação mandato em dois anos

O deputado federal Emanuel Pinheiro Neto, o Emanuelzinho (PTB), defendeu a proposta da unificação das eleições no País em 2022. 

O debate já era travado há algum tempo e ganhou força em razão da pandemia do novo coronavírus, a Covid-19.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) estabelece um único pleito eleitoral daqui a dois anos para a escolha de todos os cargos eletivos do País. Na prática, caso aprovada, a prorrogaria em dois anos os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores.

O deputado federal apontou que, devido ao seu pai Emanuel Pinheiro (MDB) ser prefeito de Cuiabá a defesa por soar como “legislar em causa própria”, mas ele garantiu que a preocupação é com a crise sanitária vivenciada pelo País.

Quando eu defendo a prorrogação das eleições, fica parecendo que é em causa própria, por que meu pai é prefeito, mas não é
“Quando eu defendo a prorrogação das eleições, fica parecendo que é em causa própria, por que meu pai é prefeito, mas não é. Vou argumentar. Primeiro, como iremos fazer, mesmo que dividindo em dois dias, para não aglomerar milhões de pessoas que não estão querendo sair de casa, para votar?”.

“Outro ponto: o segundo turno, de acordo com a proposta, seria no dia 20 de dezembro, e a posse no dia 1º de janeiro. Como faremos uma transição de uma equipe para outra em meio a uma pandemia fazer essa troca?”, defendeu o deputado.

Uma das sugestões para o período emblemático é a “campanha digital”. Para Emanuelzinho, algo inviável posto que grande parte da população não tem acesso aos meio digitais. Conforme levantamento do IBGE realizado em 2017, a internet é utilizada em 74,9% dos domicílios brasileiros. 

“Como colocar todos nas ruas em um momento em que você está segurando a curva. Há quem fale em eleição digital. Mas aí você fere a democracia, tendo em vista que todos devem ter acesso aos candidatos, e não é todo mundo que tem condições de ter um celular, internet, uma TV em casa”, disse.


Outra proposta


Apesar da defesa, o deputado federal acredita que o que deve passar é a PEC do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ela estabelece o adiamento das eleições municipais para o dia 6 de dezembro, primeiro turno, e 20 de dezembro o segundo turno.

As eleições municipais para 2020 estão previstas para ocorreu no dia 4 de outubro.

“Eu entendo razoável a extensão dos mandatos. Mas o meu sentimento hoje é que vai ser aprovado para dezembro”.

“Quem vai ter que dizer sobre a prorrogação não é a classe política, são os sanitaristas que estão no dia a dia enfrentando essa realidade. Não a política porque todos têm seus interesses eleitorais, e isso pode acabar se sobressaindo ao espirito de humanidade nesse momento de pandemia”, apontou.

POR: MÍDIA NEWS
Postagem Anterior Próxima Postagem