Comandante da PM é suspeito de executar criminosos e ocultar corpos


O comandante da Polícia Militar de Santa Carmem (a 500 km de Cuiabá), Evandro dos Santos é suspeito de executar seis homens e possivelmente ocultar os cadáveres na fazenda Promissão. Ele foi preso na manhã desta quinta-feira (27), durante 'Operação Insídia', deflagrada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), que apura o desaparecimento do grupo, ocorrido em abril deste ano.

Conforme o pedido de prisão temporária, ao qual o Olhar Direto teve acesso, o proprietário da fazenda, Agenor Vicente Pelissa teria comunicado o policial dias antes sobre um possível roubo na propriedade. O funcionário Francisco de Assis, conhecido como Bill, foi quem teria repassado a informação. Ele também seria um dos envolvidos na tentativa de roubo, mas se arrependeu e contou o plano ao patrão.

Diante disso, Agenor solicitou que Evandro fizesse a segurança do imóvel, que chegou a ser realizada, inclusive com a viatura da Instituição, mesmo ele estando com a caminhonete do fazendeiro.

Conforme extratos do GPS do veículo, Evandro esteve na Fazenda Promissão no dia 18 de abril, no período entre 17h e 21h30, quando juntamente com o PM Marçal saíram e passaram também na Fazenda Santa Rita. 

O policial Dos Santos teria comunicado Agenor, de madrugada, sobre o que se passou na fazenda no dia dos fatos, conforme depoimento da companheira dele. Além disso, pediu que Luiz Alemão levasse a caminhonete do seu patrão de volta para a fazenda. 
Em seu depoimento, Evandro confirmou que realmente esteve na fazenda para fazer rondas rurais a pedido do proprietário que estava com medo de sofrer um roubo. No entanto, disse que ficou no local até 20h30 e que tomou conhecimento dos fatos (não descritos) no dia seguinte, através do PM Mauro. Todavia, os relatos são de que Evandro foi quem comunicou o dono da Fazenda e solicitou que ele procurasse a Polícia de União do Sul. 

O gerente da fazenda, Luiz Baumgratz é suspeito de contribuir para alteração do local do crime e para dificultar a resolução teria trocado o veículo Ford Ranger do seu patrão que estava com Evandro, logo após os fatos. As investigações apontam que ele tem conhecimento de provas ainda não colhidas, como a localização dos cadáveres dos desaparecidos.

Roberto Carlos Cesaro, policial militar de Santa Carmem à época dos fatos, posteriormente removido administrativamente para outra localidade, não estava de plantão no dia dos fatos, entretanto após investigações apurou-se que esteve na fazenda no dia dos fatos no período noturno, entre às 20:05 horas e 22:58 horas pela conexão no IP da rede da fazenda.

A Corregedoria Geral da Polícia Militar informou que já existe um Inquérito Policial Militar (IPM) em andamento apurando a denúncia do suposto envolvimento de policiais militares. Informou ainda que acompanhou o cumprimento dos mandados de prisão.

O caso

As investigações apuram os fatos ocorridos no dia 18 de abril deste ano, em uma fazenda no município de União do Sul. Naquele local, foram encontrados diversos veículos com perfurações, estojos, munições, além de manchas de sangue e objetos pessoais, sem qualquer registro ou informação do que teria acontecido. 

Após a realização de dezenas de diligências, perícias técnicas, buscas pelos corpos, oitivas de testemunhas e de pessoas envolvidas, as investigações apontaram para a execução de pelo menos seis pessoas, seguidas da ocultação dos respectivos cadáveres. Entre as vítimas está um funcionário da fazenda que trabalhava no local onde o fato ocorreu. 

Além dos homicídios, são apurados outros possíveis crimes conexos, como cárcere privado, constituição de milícia privada, corrupção ativa e passiva. 

As ações foram realizadas com apoio da Gerência de Operações Especiais (GOE), Corregedoria da Polícia Civil de Mato Grosso, Polícia Civil do Estado de Tocantins e Corregedoria da Polícia Militar de Mato Grosso.

As investigações seguem em andamento.

OLHAR DIRETO
Postagem Anterior Próxima Postagem