Sobrevivente de tiroteio no Atacadão curte praia no RJ e está foragido; tornozeleira foi desativada



Júnior Vieira Alves, um dos sobreviventes do tiroteio que culminou na morte de três criminosos no Atacadão, em maio do ano passado, é considerado foragido da Justiça. Ele era um dos alvos da operação deflagrada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), na quarta-feira (22), para cumprimento de ordens judiciais contra envolvidos no crime. Nesta semana, ele foi flagrado em uma praia, no Rio de Janeiro, com a namorada e amigos. Com passagem marcada para retornar na quinta-feira (24), ele não embarcou.


Leia mais:
Polícia comprova envolvimento de vigilante em tentativa de roubo a carro forte que terminou com três mortos
 
O fato que chama atenção é que Júnior deveria estar sendo monitorado por tornozeleira eletrônica, mas ela foi desabilitada pela própria Central de Monitoramento em setembro, já que o criminoso deixou o aparelho sem sinal.
 
A volta dele para Cuiabá era aguardada na quinta-feira, mas o homem não embarcou no voo. Sendo assim, a Polícia Civil de Mato Grosso pediu apoio aos colegas do Rio de Janeiro para tentar encontrar o acusado, que segue foragido.
 
“Ele não fez o check-in, estava com passagem marcada e não retornou para Cuiabá. Com isto, já o consideramos foragido, visto que deve ter conhecimento de que estamos em busca dele. Nós estivemos na casa da sua mãe, no dia da operação”, disse a delegada Juliana Palhares.
 
Junior teria sido o articulador do ataque ao carro forte, ocorrido no Atacadão em 2019. Ele também já foi alvo da 'Operação Luxus', deflagrada também pela GCCO, para prender 17 membros de uma organização criminosa que agiu em roubos e furtos de pelo menos 10 agências bancárias do Estado de Mato Grosso.
 
Operação
 
A Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (22.09), operação para cumprimento de ordens judiciais de prisão contra três criminosos envolvidos na tentativa de roubo, no supermercado Atacadão, ocorrido em maio de 2019. Na ocasião, três bandidos foram mortos após trocar tiros com seguranças e policiais. Eles tentaram roubar arro forte da empresa Brinks.
 
O crime ocorreu no dia 10 de maio quando o grupo criminoso associado, fortemente armado, tentou atacar o carro forte da empresa Brinks, no momento em que era realizado o abastecimento dos terminais de auto atendimento (caixas eletrônicos) instalados no supermercado.
 
O roubo não foi consumado devido a intervenção imediata da equipe da GCCO, assim como pela ação do vigilante da empresa, resultando na morte de três dos criminosos.
 
As investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) comprovaram que a vigilante Laura Virgínia Carvalho, 39 anos, que aparece caindo abraçada junto a um dos suspeitos na tentativa de assalto a um carro-forte no supermercado Atacadão, no bairro Tijucal, em Cuiabá, no dia 10 de maio de 2019, estava envolvida no crime. Ela teria sido responsável por repassar informações para o grupo que tentou efetuar o roubo.



OLHAR DIRETO


Postagem Anterior Próxima Postagem