Fico e BR-163 mudarão realidade do eixo rodoferroviário de Mato Grosso, garantem ministro e deputado


 

Após o anúncio da liberação da licença ambiental para as obras da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico), entre os municípios de Mara Rosa (GO) e Água Boa (MT), foi a vez do ministro de Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas comunicar, nesta quarta-feira (30), a duplicação da BR-163 de Rondonópolis à Cuiabá e a solução para o trecho concessionado de Cuiabá a Sinop.


Leia mais:
Ibama emite licença de instalação da Ferrovia de Integração Centro-Oeste

"A questão da duplicação da BR-163 está muito próxima, com previsão de início das obras no trecho de Rondonópolis a Cuiabá já no início de 2021. Já o trecho que está sob concessão da Rota Oeste queremos chegar na solução definitiva até final deste ano", disse Tarcísio em reunião com os coordenadores de Bancadas Estaduais da Região Centro-Oeste. Esse trabalho já tinha prometido durante visita do presidente Jair Bolsonaro a Sinop. 

Foi anunciada também a previsão de recursos para o início da pavimentação da BR-158 pelo contorno do Parque Marãiwatsédé, mediante a obtenção de Licença de Instalação - LI, além do contorno de Barra do Garças, dragagem da Hidrovia do Paraguai e recursos para o aeroporto de Matupá.

A reunião foi realizada para apresentar as ações prioritárias do MINFRA no Projeto de Lei Orçamentária Anual – PLOA 2021. "Precisamos do apoio das bancadas dos estados uma vez que temos R$ 36,8 milhões já no orçamento para a duplicação da BR 163 mas, precisamos alocar mais R$ 40 mi", expôs o ministro.

O líder da bancada mato-grossense, deputado federal Neri Geller comprometeu-se em pautar o tema já na próxima reunião dos parlamentares.

"Esta notícia da Fico é muito importante para nós ministro. Assim como a duplicação da BR 163 no trecho que vai de Cuiabá a Sinop. Quanto à demanda de orçamento, no ano passado a bancada já colocou 20% dos recursos para o DNIT, mas levarei essa discussão de hoje com todo o carinho para tentar ajudar ao máximo o ministro", ponderou Geller.

OLHAR DIRETO
Postagem Anterior Próxima Postagem