Morto em confronto, líder de facção foi investigado por morte do agente Douglas e impôs lei do terror em bairro



 Francisco Rodrigo Assunção (Piauí), morto em confronto com policiais civis e militares que realizavam uma operação no bairro Jardim das Américas, em Lucas do Rio Verde (332 quilômetros de Cuiabá), na quinta-feira (08), foi investigado pelo homicídio do agente penitenciário Elison Douglas da Silva, de 37 anos e vários outros que aconteceram na cidade nos últimos dois anos. Ainda conforme as autoridades, ele foi o responsável por impor uma ‘lei do terror’ no bairro Tessele Junior.


Leia mais:
Líder de organização criminosa morre ao trocar tiros com policiais durante operação
 
“Ele é uma das lideranças da facção criminosa em Lucas. Tinha um mandado por tentativa de latrocínio e nós estávamos buscando por ele há mais de dois meses. Um elemento extremamente perigoso”, disse o delegado Marcelo Maidama.
 
Segundo o delegado Daniel dos Santos Neri, após uma operação que foi realizada na cidade, em que outras lideranças acabaram presas, Francisco assumiu o controle do crime em todo o município.



“Não existe vácuo no poder. Outros tentarão assumir e saibam que iremos atrás de quem quer que seja. Lamentamos a morte, não é o resultado que esperávamos, mas quem está com a arma, tem que saber das consequências”, explica o delegado.
 
Ainda segundo Daniel, Francisco era muito perigoso e tinha histórico de outros confrontos. Ele inclusive foi investigado pela morte do agente Douglas, assassinado com 21 tiros.
 
“Na época, era o nosso principal suspeito. Tudo apontava para ele, mas nunca conseguimos chegar em nada concreto. Este mesmo raciocínio vale para outros homicídios que aconteceram na cidade nos últimos dois anos. Ele não é o autor, mas sempre tínhamos em mente que ele poderia estar por trás”, comentou o delegado.
 
Francisco também estava ligado ao tráfico de drogas, roubo a fazendas e outros crimes. “Ele impôs uma lei do terror. Entravam nas casas para dar ‘salves’, batiam em pessoas que não estavam cumprindo as regras deles. Em Lucas do Rio Verde, demos uma prova muito grande hoje de que no Tessele Junior, nós somos a autoridade. Não vamos desistir do bairro”.
 
Morte Agente Douglas
 
O agente penitenciário Elison Douglas das Silva, 37 anos, foi executado em junho do ano passado, após sofrer uma emboscada no bairro Téssele Júnior, em Lucas do Rio Verde (332 quilômetros de Cuiabá).
 
A vítima foi baleada pelo menos 20 vezes nas costas pelos criminosos, que atacaram Elison no momento em que ele abria a porta de uma residência. Ao todo, testemunhas apontam a participação de pelo menos quatro suspeitos.
 
A morte do agente gerou revolta entre os colegas. Logo depois, a Secretaria de Segurança Pública (Sesp), deflagrou uma operação dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE), batizada com o nome do servidor, em que retirou-se benesses que os presos tinham e deixou o sistema ainda mais ‘linha dura’.

OLHAR DIRETO
Postagem Anterior Próxima Postagem