Prefeitura de Cuiabá alega sobrecarga e falta de pessoal para cumprir cronograma de pesquisa soroepidemiológica


 

A Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), alegou sobrecarga e deficiência de pessoal para cumpir o cronograma de pesquisa soroepidemiológica em conjunto com a Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso (SES-MT). De acordo com o secretário da pasta estadual, Gilberto Figueiredo, mesmo que tenha tentado, não conseguiu convergência e nem receptividade.

PUBLICIDADE

Leia mais:
Gilberto acusa município de dificultar pesquisa soro epidemiológica: “não tenho encontrado receptividade’

Em nota encaminhada ao Olhar Direto, a SMS alega que enviou a SES-MT um documento informando a impossibilidade de adesão a pesquisa. “O documento sugere que este trabalho seja realizado em uma outra oportunidade, na qual os profissionais estejam em condições de serem redirecionados para essa atividade de campo, com menos riscos de danos à saúde do trabalhador, contribuindo para melhores resultados”.

O documento elencou alguns pontos que impossibilitaram a participação: deficiência de pessoal para cumprir o cronograma proposto; logística de composição das equipes para essa nova atividade; condições climáticas de temperatura, umidade relativa do ar e qualidade do ar, absolutamente insalubres; sobrecarga das equipes de enfermagem nas unidades para enfrentamento a COVID-19; e deslocamento de técnicos para realizar o aludido inquérito, em detrimento de suas atividades de atenção aos pacientes da rotina.

A Gerente da Vigilância Epidemiológica de Cuiabá, Flávia Guimarães, explicou que a demanda foi encaminhada cinco dias antes da data da pesquisa a ser realizada. A capital, inclusive, já teria passado por outra pesquisa, a nível nacional. "Cuiabá já foi contemplada pela pesquisa epidemiológica no Brasil pela Universidade de Pelotas. A gente já foi elencado. Aqui já foi pesquisado quatro vezes".

Segundo Gilberto Figueiredo, a pesquisa está sendo realizada em 10 municípios de Mato Grosso, mas Cuiabá ficou de fora. “Nós assumimos essa responsabilidade, estamos em campo, com profissionais, com praticamente 15 veículos fazendo a visita para conseguir acabar essa pesquisa. Todos os outros nove municípios que aderiram já acabaram o trabalho, aqui nós não conseguimos porque infelizmente não há essa convergência com o município de Cuiabá”, lamentou Gilberto.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número real de infectados deve ser entre 8 e 10 vezes maior do que os números oficialmente registrados no mundo, considerando que muitas pessoas são assintomáticas ou não fizeram o exame para diagnosticar a doença. Ou seja, somente aqueles pacientes que foram testados entram para os registros.

Com o levantamento, a SES pretende mapear o nível de infecção da Covid-19 no Estado e planejar o remanejamento de leitos conforme a movimentação da taxa de internações por coronavírus. A pesquisa começou no último dia 16 de setembro, e a intenção era testar cerca de 4500 pessoas.

Confira a nota da SMS na íntegra:

Sobre a realização do Inquérito Soro imunológico, a Secretaria Municipal de Saúde - SMS informa:

- A SMS conversou com todas as áreas técnicas operacionalmente envolvidas, que reconheceram a relevância do trabalho para a população do estado de Mato Grosso, mas elencaram alguns pontos que impossibilitaram a realização da ação pelas equipes da capital. São eles:

• Deficiência de pessoal para cumprir o cronograma proposto;
• Deslocamento de técnicos para realizar o aludido inquérito, em detrimento de suas atividades de atenção aos pacientes da rotina;
• A logística de composição das equipes para essa nova atividade;
• As condições climáticas de temperatura, umidade relativa do ar e qualidade do ar, absolutamente insalubres;
• A sobrecarga das equipes de enfermagem nas unidades para enfrentamento a COVID-19.

- Em respeito ao exaustivo trabalho realizado pelas equipes do município na rotina de enfrentamento à COVID-19, a SMS enviou à Secretaria Estadual de Saúde um documento informando a impossibilidade de adesão do município de Cuiabá ao referido inquérito nesse momento. O documento sugere que este trabalho seja realizado em uma outra oportunidade, na qual os profissionais estejam em condições de serem redirecionados para essa atividade de campo, com menos riscos de danos à saúde do trabalhador, contribuindo para melhores resultados.


Atualizada às 10:38.
 

OLHAR DIRETO
Postagem Anterior Próxima Postagem