Alvo de ataques, Emanuel pede dois direitos de resposta já no primeiro bloco do debate; acompanhe e veja os bastidores

 


OLHAR DIRETO

A TV Vila Real realiza, nesta quarta-feira (11), seu segundo debate – e o último antes das eleições do próximo domingo (15) – entre os oito candidatos à Prefeitura de Cuiabá. Confirmaram presença e são esperados o atual prefeito e candidato à reeleição Emanuel Pinheiro (MDB), o ex-prefeito Roberto França (PATRI), o vereador Abilio Junior (PODE), a ex-superintendente do Procon Gisela Simona (PROS), o advogado Aécio Rodrigues (PSL), o ex-juiz Julier Sebastião (PT), o servidor público Gilberto Lopes (PSOL) e o administrador de empresas Paulo Henrique Grando (NOVO).

PUBLICIDADE

Leia também:
MT deve ter nomes de senador, prefeitos e vereadores eleitos até 21h de domingo

Olhar Direto fará a cobertura em tempo real e atualização minuto a minuto com os principais acontecimentos durante o debate. Acompanhe.

12h26 - O candidato Aécio perguntou ao concorrente Julier Sebastião  sobre uma segunda onda do Covid-19 es se ele defende um novo lockdown. Julier voltou a citar que não irá replicar o que Bolsonaro está tratando a pandemia, chamando as pessoas de ‘maricas’ e que irá dialogar com o comércio, caso exista uma nova onda do coronavírus.
 
Em sua réplica, Aécio disse que Julier colocou um ex-presidiário em seu horário eleitoral, em referência a Lula e que não irá fazer em sua gestão, como o PT fez. N tréplica, Julier lembrou do episódio do senador da base de Bolsonaro que foi detido com R$ 30 mil nas nadegas e citou que Aécio tende a fazer uma gestão 'fraca' como a do Governo Federal em Cuiabá.
 

12h22 - Julier, em relação à fala da pergunta anterior, disse que é necessário "perguntar para o Arcanjo" porque ele foi juiz. Depois, perguntou a Robert França, dizendo que defende ensino integral, e que Emanuel só agora decidiu falar sobre isso e só tem uma escola nesse sistema. Perguntou o que França achava disso. França disse que já disse que vai distribuir tablets para todos os alunos, investir em inclusão digital nas escolas, plano de cargo, carreira e salários para profissionais da educação, período integral em 50% das escolas, hora estendida em pelo menos 50% das creches e ampliar a oferta de vagas na educação infantil, com prioridade para crianças com prioridades especiais. Julier afirmou que vai além do ensino em tempo integral e vai ampliar as vagas em creches, trazer também a gestão democrática de volta. Disse que França deixou o salário dos professores atrasados. França, na tréplica, afirmou que pagou a folha todo mês, o que ficou atrasado foram duas folhas das seis folhas e meia que herdou da administração anterior. 

12h20 - Abrindo o segundo bloco, Julier Sebastião, do Partido dos Trabalhadores, perguntou a Abílio Junior, do Pros. Ele questionou qual o posicionamento do candidato em relação ao sistema de Saúde. Abílio salientou que a Saúde é prioridade de seu plano de gestão. O candidato afirmou que apoia o SUS e disse ainda que o sistema não funciona atualmente por problemas relacionados à corrupção. Na réplica, Julier afirmou que Abílio tem comportamento semelhante ao do presidente Jair Bolsonaro, que ignora a pandemia. Na tréplica, Abílio questionou o nível intelectual de Julier e explicou que atuou fiscalizando a Saúde.

12h14 -  Terminou o primeiro bloco

12h13 - A produção do debate eleitoral concedeu direito de resposta a Emanuel por ter sido chamado de corrupto. Em seu tempo de um minuto, o prefeito disse que não iria responder a altura para França, por o respeitar e declarou que sua gestão respeita os servidores, a sociedade e que sempre trabalhou para melhorar a vida das pessoas.

12h12 - Após o horário eleitoral, Gisela teve direito a sua réplica. Ela afirmou que o vereador Abilio “falou, falou e não disse nada”, que ele teve a oportunidade de fazer diferente, mas não prestou contas sobre sua VI. “Se em quatro anos não fez diferente, como agora vai fazer, como prefeito?”. Abilio disse que Gisela é especialista em fake news, que não há R$ 1 milhão em VI, e que se ela tem discurso de combate à corrupção, é porque ele em sua gestão fiscalizou a Prefeitura, e conseguiu resgatar R$ 90 milhões para a saúde e a educação.

12h08 - No intervalo, Emanuel disse que houve tentativa de bate-bola para tentar atingir sua gestão, mas que ele estava preparado e que sua gestão tem agradado as pessoas. “Eu não estou preocupado com eles [candidatos], estou preocupado com a população cuiabana de fazer o melhor debate para mostrar nossas propostas”.

12h07 - No intervalo, a primeira-dama do município de Cuiabá, Márcia Pinheiro afirmou que os ataques feitos a Emanuel mostram o desespero dos outros candidatos. "Olha, eu analisei desespero dos outros candidatos de quererem atacar. É muito fácil falar, quero ver fazer, e espero que seja dado a Emanuel o direito de resposta, porque ele vai mostrar a verdade para quem o está acusando. Mas o Emanuel está aqui para apresentar mais propostas". 

12h00 - O debate foi interrompido para a transmissão do horário eleitoral.

11h55 - Gisela fez sua segunda pergunta a Abilio. Afirmou que ele, enquanto vereador, gastou dois milhões de reais, toda verba destinada a contratação de assessores, além de R$ 970 mil com verba indenizatória, e nunca cortou um centavo. "Agora diz que vai cortar gastos? É mais um desses loucos pelo poder que fala uma coisa e faz outra?". 

Abilio responde que todo recurso que gastou foi para fiscalizar e combater a corrupção. Afirmou que o discurso que ela fez para o prefeito na pergunta anterior só foi feito porque ele havia investigado Emanuel antes. Disse ainda que não mudou de Várzea Grande para Cuiabá e decidiu ser prefeita, e também que ela também foi candidato ao Senado e depois apareceu querendo ser prefeito.

11h54 - Gisela Simona, do Pros, perguntou a Emanuel Pinheiro, do MDB. Primeiro, Gisela afirmou que Emanuel é símbolo nacional de corrupção. Ela questionou se Emanuel se considera um corrupto profissional. Emanuel preferiu não se manifestar sobre o questionamento. O prefeito em busca de reeleição usou seu tempo para destacar os feitos de sua gestão na área da Saúde. Gisela, na réplica, salientou que a população não pode deixar a gestão da prefeitura nas mãos de um político como Emanuel, figura recorrente em delações premiadas. O prefeito, na tréplica, salientou que Gisela é inexperiente e está apelando em um momento inoportuno.

11h50 - Na sua segunda pergunta, endereçada a Gilberto Lopes, Emanuel Pinheiro questionou como trazer dignidade e valorização na Educação. Na resposta, o psolista afirmou que existe a falta de 13 mil vagas e que a atual gestão gasta muito em publicidade para o setor. O prefeito em seguida citou os CMEIs criados por ele. Gilberto, por sua vez, disse que Cuiabá tem uma saúde e educação caótica e que há um grande gasto na publicidade.

11h47 - Emanuel começou sua primeira pergunta dizendo: "Tenho ouvido tantas pérolas que é brincadeira... graças a Deus fomos o prefeito da pandemia, porque se tivessem algumas mãos, eu temo pela saúde da minha gente". Depois, ele perguntou a Aécio o que ele acha do programa kit escolar completo que foi entregue por sua gestão. Aécio respondeu que é excelente e tinha que ter sido entregue há muitos anos, mas que também é necessário trazer tecnologia e infraestrutura para as escolas. Ainda afirmou que não adianta entregar tablets se as crianças não tem internet em casa. Afirmou que há diversas plataformas que podem ser integradas ao ensino. Disse,ainda, que as crianças foram abandonadas na pandemia.

Emanuel afirmou que seu kit escolar é "símbolo da igualdade, cidadania e respeito às nossas crianças. Corrigiu Aécio a respeito do número de estudantes, e citou o que realizou em seu kit escolar. Na tréplica, Aécio afirmou que é muito bom dar esse suporte, mas o mais importante é que as crianças saiam com aprendizado, e isso não está acontecendo. Disse que as crianças estão há meses sem escolas e ele não viu decreto para voltar, "mas fazer campanha política e colocar cabo eleitoral aqui na frente pode, né?", questionou.

11h45 - Roberto França, do Patriotas, perguntou a Paulo Henrique Grando, do Novo. França citou seu programa Educacional que prevê distribuição de tablets e extensão da hora estendida. Grando afirmou que é preciso pensar nos analfabetos funcionais. Seria necessário valorizar as séries iniciais e o fortalecimento da base do conhecimento. Na réplica, França pregou a valorização dos servidores públicos da Educação. Grando explicou que é importante valorizar professores, mas há necessidade de constantes avaliações dos profissionais.

11h41 - Em sua primeira pergunta, Roberto França questionou quais as ações que Gisela Simona tem para o Centro Histórico de Cuiabá. Em resposta, a candidata disse que o centro histórico da capital está caindo e que irá fazer uma revitalização para dar finalidade social nos imóveis e levar mais comércios, além de cultura na região. Roberto França destacou que o Morro da Luz está abandonado. Na réplica, Gisela disse que além do Morro da Luz, os moradores de rua que ficam na região também estão abandonados. Ela também disse que tem propostas para ajudar estas pessoas. Roberto França, por fim, afirmou que as praças estão abandonadas.


11h37 - Abilio fez sua segunda pergunta a Roberto França, afirmando que houve dois secretário de saúde de Emanuel presos, e perguntou que medidas ele tomaria nessa situação. 

França disse que é lamentável que Prefeitura tenha chegado a esse “descalabro administrativo onde impera a corrupção”, falou sobre os quatro secretários afastados, e disse que isso é um atestado da atual administração. Disse, ainda, que o Ministério Público e órgãos de controle tem que agir como devem, mas que não se pode aceitar administração corrupta. Abilio afirmou que em sua atuação fiscalizou o poder executivo e denunciou diversos esquemas, afirmou que nenhum secretário foi afastado porque Emanuel queria, e sim por causa da atuação do legislativo. Disse, ainda, que Emanuel foi o pior gestor da história de Cuiabá. França concordou, e afirmou que os órgãos de controle tem que tomar as providencias cabíveis, que fizeram pedindo o afastamento dos secretários por suspeita de corrupção. Afirmou novamente que o que aconteceu foi lamentável.

Depois disso, Emanuel Pinheiro pediu direito de resposta por Roberto França ter dito que a administração dele é corrupta.

11h35 - Abílio Junior fez pergunta a Paulo Henrique Grando. Ele questionou sobre “decretos mirabolantes” da atual gestão durante a pandemia. Grando afirmou que todas as decisões tomadas não levaram em conta estudos científicos. “Muita coisa foi feita e na verdade muito atabalhoado”. Na réplica, Abílio disse que Emanuel passa a responsabilidade para outras pessoas e toma decisões estúpidas. Na tréplica, Grando destacou que é possível superar uma crise de forma mais prudente, envolvendo verdadeiramente toda a sociedade.

11h32 - Na sua segunda pergunta, endereçada ao candidato Gilberto Lopes, Aécio levantou o tema sobre os cidadãos de rua e sobre o tráfico de drogas. Na resposta, o candidato do Psol disse só usa drogas quem quer e que terá um combate efetivo por meio da criação da Guarda Municipal. Na resposta, Aécio disse que não existe um programa de recuperação em Cuiabá. Na tréplica, Gilberto disse que não tem como tirar os usuários de drogas das ruas e que não é possível acabar com os problemas das drogas de imediato.

11h29 - O candidato Aécio Rodrigues (PSL) perguntou a Roberto França, dizendo que o prefeito atual gastou R$ 1,7 bi e tem quase R$ 2,3 bi empenhados, e ainda assim falta remédio, e a saúde está um caos. "O que o senhor faria para melhorar as filas das UBSs? Traria mais tecnologia?". Roberto França (PATRI) respondeu afirmando que a saúde básica está acabada, “as pessoas levam oito horas esperando e quando termina não tem medicamento”, afirmou que pretende que a área de saúde volte a funcionar como quando foi prefeito, afirmou que fará consultas online, para que as pessoas não sejam “humilhadas” nas filas. Também disse que irá criar o Hospital da Criança e da Mulher, e dará “parte a essa anarquia da regulação”, que disse que não obedece ordem cronológica. Aécio, na réplica, disse que ele já teve oportunidade de fazer, e que quer trazer propostas para Cuiabá, com tecnologia, como o agendamento digital, que o Governo fez, diz que irá entregar remédios na casa das pessoas. Na tréplica, França afirmou que o que promete, ele cumpre e sempre agiu assim na vida publica. Disse que vai concluir  a UPA do Jardim Leblon, zerar as filas de exames e cirurgias e que terá remédio para todos.

11h26 - Paulo Henrique Grando, do partido Novo, perguntou a Julier, do Partido dos Trabalhadores. Ele questionou sobre o desejo de Julier de retomar a Sanecap. De onde sairia dinheiro para retomar o serviço? Julier responde que é preciso municipalizar as obras de saneamento e distribuição de água. Segundo Julier, a iniciativa privada não resolve a questão. O ex-juiz destacou ainda a possibilidade de criação de empregos. Na réplica, Grando afirmou que a iniciativa privada já é capaz de gerar empregos. Na tréplica, Julier afirmou que a maioria dos candidatos pensa em empresa e não na população cuiabana.
 
Emanuel pediu direito de resposta por se sentir ofendido. Disse que prefeitos protegem a empresa atualmente responsável pelo serviço. O pedido de direito de resposta será avaliado.

11h23 - O candidato Paulo Henrique Grando fez sua primeira pergunta a Emanuel Pinheiro sobre o tema pandemia do coronavírus e sobre os problemas vividos na sua gestão. Emanuel disse que baseou suas decisões como gestor em cima de pesquisas técnicas e científicas. Na réplica, Grando disse que Pinheiro tomou decisões ridículas e desastrosas, como fechar o comércio. Na tréplica, Emanuel declarou que Cuiabá está vencendo a pandemia.


11h21 - Gilberto Lopes (PSOL) perguntou para Abílio sobre intolerância religiosa, de gênero e aos LGBTs, afirmando que o grupo religioso que “financia sua campanha” fala sobre submissão da mulher, perseguição das religiões de matrizes africanas e perseguição da população LGBT, “Com essa missão que o senhor quer ser gestor de Cuiabá?”, perguntou. Abílio respondeu que a reforma protestante foi a que mais buscou o estado Laico, e que ele nunca fez nenhuma publicação envolvendo política e religião. Afirmou que sua escolha de servir a Deus é pessoal, que nunca perseguiu ninguém, e que é submisso à sua esposa. Na réplica, Lopes afirmou que um bom gestor “não persegue nenhum setor”, e é necessário governar para todos. Na tréplica, Abilio afirmou que Gilberto Lopes estava sendo intolerante contra ele, por ele ser evangélico.

11h17 - Gilberto Lopes perguntou a Emanuel Pinheiro sobre Saúde. Qual seria a propostas para atenção básica e saúde mental. Emanuel respondeu que a Saúde mental está em seu plano de governo. Logo que a pandemia for superada, o antigo pronto-socorro comportará uma ala de saúde mental. A UPA verdão servirá como especializada à Saúde Mental. Na réplica, Gilberto afirmou que Emanuel faz gastos excessivo com publicidade. “A saúde só existe de forma virtual”. Na tréplica, Emanuel reconheceu que a Saúde não está resolvida, mas destacou avanços de sua gestão.

11h14 - Em sua segunda pergunta, à candidata Gisela Simona, Julier pediu o seu posicionamento sobre o governo de Mauro Mendes e de Jair Bolsonaro. Na resposta, Simona disse que sempre esteve em vários governos por ser concursada e que fez muito como comissionada no Procon. Disse também que como prefeita irá dialogar tanto com Mendes, quanto com Bolsonaro.Na réplica, Julier diz que Mauro Mendes massacrou os servidores e novamente pediu seu posicionamento. Na tréplica, Gisela afirmou que foi contra a reforma da previdência ocorrida no Estado e que está a favor do servidor.


11h11 - A primeira pergunta foi feita por Julier (PT) para Emanuel Pinheiro (MDB). Ele questionou sobre o vídeo do paletó e disse: "Quanto de dinheiro tinha no paletó?". Emanuel respondeu que iria focar em propostas, que estranhava que Julier, enquanto ex-juiz, não soubesse que não se pode falar sobre um processo que corre em sigilo. Ele afirmou que a população sabe tudo o que ele fez, e citou o HMC. Na réplica, Julier disse que seu programa de governo tem o 'saúde em casa', e Emanuel, na tréplica, afirmou que já fez isso, e agradeceu Julier por ter 'elogiado' seu governo. 

11h08 - O apresentador do debate citou a presença dos candidatos e explicou as regras. O debate terá quatro blocos. As perguntas terão réplica e tréplica. Nos três primeiros blocos estão previstos direitos de resposta. O quarto bloco será apenas de despedida, um minuto para cada nome. O apresentador revelou que é proibido uso de ponto eletrônico ou celular. Também é proibida a apresentação de objetos que não sejam o plano de governo.

10h55 - O último candidato a chegar foi Abílio Junior (Podemos). Como chegou em cima da hora, não pode dar entrevista aos jornalistas presentes. 





10h50 - O candidato Julier Sebastião (PT) chegou ao local. Ele disse que espera um debate baseado em propostas. "Que a gente debata programas de governo e que seja centrado naquilo que a população de Cuiabá deseja, ou seja, a melhoria da vida de cada uma das cuiabanas e dos cuiabanos. Espero que o debate reflita isso. Nós estamos debatendo programas de governo e expondo o que são as propostas de governo de cada candidato. Dentro desse contexto, obviamente, vamos debater a postura de cada um deles. Na segunda-feira estaremos começando nossa campanha de segundo turno".




10h45 - O candidato Gilberto Lopes (Psol), em sua chegada a emissora, declarou que irá apresentar propostas para tirar Cuiabá do atraso e que tem chances de segundo turno. "Vou apresentar alternativas para tirar Cuiabá do atraso tanto na saúde, quanto na educação. Vamos apresentar propostas. Acredito que todos candidatos tem chances reais de ir para o segundo turno", afirmou. 



10h38 - Roberto França (PATRI) chegou ao local do debate acompanhado do presidente do DEM em Mato Grosso, Fábio Garcia. O candidato disse que fará um debate propositivo e ressaltou que não será o debate que vai definir a eleição. "Expectativa é das melhores. Espero que seja um debate de alto nível. Vamos apresentar as propostas para Cuiabá. O debate não decide segundo turno, daqui até domingo muita água ainda vai rolar", afirmou.



10h31 - Após faltar ao primeiro debate, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) comparece desta vez. Ele chegou acompanhado da primeira-dama Márcia Pinheiro, e ovacionado pela militância. Ele afirmou que nunca fugiu do debate, e que o passado é passado. A expectativa é a melhor possível, com essa energia positiva da nossa militância, as pesquisas mostrando sempre em crescente, a população cada vez mais entusiasmada com a nossa gestão, uma aprovação de 80% da nossa gestão, mostrando uma gestão humanizada”, disse o prefeito.

"Passado nunca mais, era o momento, já passou, o que importa é que eu estou aqui, sereno, firme e forte, sempre debatendo a sociedade, sempre nas lidas sociais, sempre nas ruas, sempre nas redes, sempre em contato com os segmentos da sociedade e no corpo a corpo, então sempre fui um homem de debate e de luta", completou, ao falar sobre não ter comparecido ao primeiro debate. 

"Estamos aqui respeitando as medidas de biossegurança e vamos promover um debate cercado em ideias e propostas, sem ataques. (...) Eu sou um homem de embate. Fui atacado injustamente durante quatro anos, estamos prontos para sempre responter à altura", completou.

Veja:





10h30 - Ao chegar no local, a candidata Gisela Simona (PROS) ressaltou a importância do debate, disse que irá apresentar suas propostas e exigir explicações importantes para população cuiabana. “É um debate decisivo, é um espaço democrático importante que nós candidatos devemos agradecer em razão da oportunidade do eleitor conhecer as propostas, ver quem tem compromisso com o eleitor. Estamos aqui porque temos este compromisso. Estou aqui para dizer a verdade, exigir a prestação de contas que o povo cuiabano precisa e para falar de propostas”", disse.



10h25 - O candidato Aécio Rodrigues (PSL) foi o segundo a chegar, e levou também o candidato ao Senado e deputado estadual Elizeu Nascimento (DC). Ele afirmou que espera que o debate não vire um circo. "O que eu mais espero é que esse debate não vire um circo, que a gente tenha respeito ao próximo, porque Cuiabá quer saber propostas, quer saber quem realmente pode mudar Cuiabá, e quem não fez em quatro anos não vai fazer agora. Quem já teve oportunidade de fazer e não fez, não dá para confiar. E também concordo que não é um momento de aventuras, a gente tem que ter responsabilidade para governar a Prefeitura, e no debate passado acredito que eu mostrei um pouco disso, e hoje estou muito mais preparado para mostrar que a gente está preparado para governar Cuiabá independente e sem amarrações políticas e sem influência de pesquisas".



10h20 - O candidato Paulo Henrique Grando (Novo) foi o primeiro a chegar no local. Ele afirmou que esta será a 'última chance' de apresentar as propostas do Novo, e analisou a campanha como positiva para o partido: "A expectativa é que seja a última chance, a chance definitiva de mostrar a diferença das ideias e das propostas do Novo. Eu tenho ouvido muita coisa nessa campanha que me assusta, porque são muitas promessas vazias, irrealizáveis, e hoje a gente vai poder questionar isso e esclarecer à população.
Eu já passei de quarenta entrevistas, então a gente conseguiu levar a mensagem a mais pessoas, aumentar o alcance, que era o grande objetivo, divulgar as ideias do partido e também divulgar os vereadores", afirmou.



10h15 - Cabos eleitorais de Gisela e Emanuel disputam espaço com muitas bandeiras. Este tipo de aglomeração não ocorreu no primeiro debate.



10h10 - O prefeito Emanuel Pinheiro, que não compareceu no último debate, desta vez confirmou presença e também mandou militantes para a porta do Grupo Gazeta de Comunicação.

10h09 - A militância da candidata Gisela Simona (PROS) chegou em um ônibus. Muitas pessoas se reúnem em frente à sede da TV.







Postagem Anterior Próxima Postagem