Emanuel recebe apoio do Fórum Sindical e diz que Mauro tem temperamento ‘imperialista’: “quer tomar a Prefeitura”


 

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), candidato à reeleição em Cuiabá, se reuniu na manhã desta quinta-feira (19) com líderes de cerca de vinte sindicatos municipais e estaduais, na sede da Sindes. Na ocasião, ele assinou uma ‘carta-compromisso’ com os servidores, e em seu discurso ainda afirmou que Mauro tem temperamento ‘imperialista’ e “quer ampliar a sua força política e tomar a qualquer custo, movido pelo ódio e pela insensibilidade, a Prefeitura Municipal de Cuiabá”.

Emanuel afirmou que já tem cumprido boa parte dos pedidos dos servidores em sua gestão na Prefeitura. “Por incrível que pareça estamos voltando a viver o mesmo momento de 2016. Um governo truculento, insensível, frio, que não respeita servidor público, não respeita o direito dos servidores, zomba da cara dos servidores e dos direitos e garantias de servidores da ativa, aposentados, inativos de forma em geral. Nós não podemos nos acovardar nesse momento”, declarou o prefeito.

“Agora, com esse temperamento praticamente imperialista, ele quer ampliar a sua força política e tomar a qualquer custo, movido pelo ódio e pela insensibilidade, a Prefeitura Municipal de Cuiabá. E se não houve uma reação a essa política de desrespeito e de desmonte ao serviço público, e essa reação sempre é simbolizada em determinados momentos, e na história não é diferente, e nessa eleição esse simbolismo é exatamente nas urnas da eleição municipal que nós temos que dar um basta na união de Mauro Mendes, Roberto França e Abílio para tomar a Prefeitura Municipal de Cuiabá”, completou.

O sindicalista Antônio Wagner, presidente substituto da Central dos Sindicatos Brasileiros em Mato Grosso (CSB), esteve no encontro e entregou a carta ao prefeito. Ele ainda lamentou o apoio do governador ao candidato Abílio Junior (PODE). “Através desse Fórum Sindical dos servidores municipais nós construímos, junto com o Fórum Sindical dos Servidores Estaduais, principalmente a partir da posição do governador em apoiar este candidato que representa e cristaliza o discurso anti-servidor, o discurso anti-ciência, o discurso anti-educação e o discurso anti-saúde, anti vida. E é por isso que nós estamos reunidos aqui hoje”, disse.



“Nós fizemos uma carta-compromisso a muitas mãos, e dentro dessa carta a gente explica os motivos de a gente estar hoje na sua presença, vendo se o senhor assina essa carta-compromisso para a gente hipotecar esse apoio tão importante para essa virada do segundo turno que vai ser muito bonita e vai ser histórica para Mato Grosso, e para a gente colocar no banquinho da humildade o governador do Estado. Para que nos próximos dois anos respeite o servidor do Estado como nós devemos ser respeitados, porque nós não somos culpados de nenhuma mazela”, completou o sindicalista.

Edmundo César, presidente do Sindicato dos Profissionais da Área Instrumental do Governo (Sinpaig), também fez questão de criticar Mauro: “Todo mundo se recorda que na campanha [o governador] prometeu mundo e o fundo para o servidor público. Falou que ia pagar o RGA, falou que ia cumprir com a linha de carreira, falou que isso e aquilo, e o que aconteceu no dia 2 de janeiro? A primeira mensagem para a Assembleia desmentindo tudo que ele falou na campanha”, relembrou.

OLHAR DIRETO
Postagem Anterior Próxima Postagem