Emanuel diz que MDB na AL foi ‘vaquinha de presépio’: “não quero um partido com esse comportamento”




O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) criticou de forma veemente os deputados estaduais de seu partido, que votaram a favor da mensagem do executivo que permite a mudança no financiamento junto à Caixa Econômica Federal e, assim, torna viável a mudança do modal de transporte de VLT para BRT. Segundo o prefeito, os parlamentares foram “vaquinha de presépio” do governador, e ele não quer “um partido com esse comportamento”.


“Uma votação sem nenhuma discussão, em que a minha bancada inteirinha, como vaquinha presépio foi e votou com o governador do Estado sem discutir, sem conhecer nada da realidade, do que é melhor para a população cuiabana. Isso me indigna. Que partido é esse que está totalmente desconectado com as ruas? Totalmente desconectado com o sentimento popular?”, afirmou na manhã desta sexta-feira (8).

“Esse partido... eu não quero um partido com esse comportamento, sem nenhum compromisso com o povo, sem nenhum compromisso com o sentimento das ruas. Mas gosto do MDB, respeito demais a história e a biografia do Carlos Bezerra, para mim uma das maiores lideranças políticas do estado, mas ele que tem uma vida pautada na democracia, na resistência e na articulação com os segmentos organizados da sociedade deve trabalhar para que o MDB retome o seu rumo histórico, inclusive sob a liderança dele, que cresceu na vida pública mato-grossense e nacional ouvindo as bases e respeitando o sentimento das ruas”, completou Pinheiro.

A rusga dentro do MDB já se arrasta a meses. Atualmente, o diretório municipal em Cuiabá está sem presidente, já que Bezerra e seu grupo defendem que ele seja comandado pela deputada estadual Janaina Riva, enquanto Emanuel e seu grupo querem a permanência do advogado Francisco Faiad. Apesar das evidências e convites de outras siglas, no entanto, o prefeito nega que queira deixar o partido.

“Quero ficar no partido e quero que o partido fique comigo, respeite o resultado das urnas, se recicle, se reoxigene a cada dois anos, respeite o resultado das urnas e as lideranças que emergem das urnas a cada dois anos, tanto no plano municipal quanto no plano estadual. Eu falo isso em relação ao partido. O partido esteve fazendo mapa eleitoral no estado, quem saiu forte das urnas? Quem ganhou as eleições? De que forma que se ganhou as eleições? Não saia daí ofendendo lideranças, convidando governador para filiar ao partido, governador que não tem nada, não representa em nada o partido, as bandeiras que o MDB historicamente defendeu, sem ouvir as bases. Pode até convidar, mas ouça a base, ouça o sentimento da população”, afirmou, citando o convite que Bezerra fez ao governador Mauro Mendes (DEM), rival político de Emanuel, no último mês de dezembro.

Emanuel afirmou que não pensa em sair do MDB, mas defende que o partido modifique sua atuação. “Eu não penso em sair do partido agora até porque são divergências de opinião, você não pode agir como garoto mimado, ‘se não é como eu quero eu vou sair’? Não. Eu vou defender o que eu acredito e que é bandeira do MDB e tentar convencer a maioria do partido que essa reoxigenação”, afirmou. Na votação na ALMT, os únicos parlamentares que votaram contra a permissão de mudança do financiamento foram os petistas Lúdio Cabral (PT) e Valdir Barranco (PT).



OLHAR DIRETO
Postagem Anterior Próxima Postagem